Arquivo da tag: Nutrição

Dieta emagrece mais do que exercício, mostram pesquisas

O último round da disputa científica entre dieta e exercício físico (qual emagrece mais?) foi vencido pela mudança alimentar. ‘Emagrecimento sem exercício é insustentável’, diz o treinador Atalla

Fome depois do treino é ‘mito’, afirma médico Atividade física até ajuda a perder uns quilos, mas quem está acima do peso –48,5% da população brasileira, segundo o Ministério da Saúde– precisa fechar a boca para ter resultado, de acordo com pesquisas recentes. Uma delas, publicada em outubro último no periódico “Obesity Reviews”, analisou os resultados de 15 trabalhos.

Todos mediram o efeito de atividades físicas, como caminhada ou corrida, em pessoas que não fizeram mudanças na dieta. As conclusões não animam. Na maioria dos estudos (que envolveram 657 pessoas e duraram de três a 64 semanas), a perda de peso foi menor do que a esperada. “Algumas pessoas conseguem emagrecer bastante, mas, em geral, a prática de atividade física resulta em uma perda de apenas dois ou três quilos”, disse à Folha Timothy Church, um dos coordenadores do trabalho. Ele é médico do Centro Pennington de Pesquisa Biomédica, em Louisiana (EUA). COMPENSAÇÃO Se toda atividade física causa queima energética e se para emagrecer basta ter um saldo negativo (gastar mais do que ingerir), por que a conta nem sempre fecha?

O trabalho de Church levanta algumas hipóteses. Segundo a principal delas, quem faz exercício acaba compensando a perda de calorias comendo mais. Isso aconteceu em pelo menos dois artigos analisados. “Não sabemos por que isso ocorre, estamos estudando melhor agora”, afirma. Para o médico do exercício Marcelo Leitão, da Sociedade Brasileira de Medicina do do Exercício e do Esporte, é comum as pessoas superestimarem os efeitos da atividade física. “As pessoas têm uma noção errada de que se fazem exercícios podem comer o que quiserem. Se você fizer uma hora de atividade e depois tomar uma cervejinha, já recuperou o que perdeu.” Para gastar 500 calorias (meta diária de quem quer perder meio quilo por semana) é preciso fazer uma hora de atividade de alto impacto, como uma aula de “jump”. O esforço pode ir embora em dois pedaços de pizza. “Uma hora de caminhada por dia muda indicadores de saúde, mas não necessariamente faz perder peso”, acrescenta Leitão. Editoria de Arte/Folhapress

FAZENDO AS CONTAS “É muito mais fácil cortar calorias do que gastar. As dietas, em geral, são supercalóricas”, afirma Julio Tirapegui, bioquímico e pesquisador da Universidade de São Paulo. Uma pessoa com sobrepeso pode consumir mais de 3.000 calorias por dia e um obeso chega a 5.000, segundo o médico argentino Máximo Ravenna, autor de “A Teia de Aranha Alimentar” (Guarda-Chuva, 264 págs., R$ 38). “Não tem como compensar isso com exercício. Tem que reduzir pelo menos 40% da ingestão de alimentos.” Outro ponto a considerar é que o gasto de energia resultante do exercício não é exato: varia segundo o condicionamento físico e as características pessoais (altura, peso, idade). Na dieta, dá para fazer as contas com precisão e cortar calorias. Foi calculando tudo que colocava para dentro que Lucélia Bispo, 27, auxiliar administrativa, perdeu 23 quilos em cinco meses, sem exercício. Ela fez uma dieta de pontos de um site especializado.

“Não deixava passar nada, anotava até uma bala”, diz ela, que antes já tinha feito regime, sem sucesso. “Sempre dá aquela impressão de que não vamos poder comer nenhuma besteira. Mas aprendi que se for um pouquinho, tudo pode.” O recorde de Lucélia foi ter perdido 2,3 kg em apenas uma semana. Depois de emagrecer bastante, ela passou a fazer uma dieta de manutenção. Hoje está com 71 kg. “Só agora vou fazer academia, porque fiquei com um pouco de flacidez.” IMPOSSÍVEL NÃO É É claro que quem pratica exercícios com regularidade e foge da armadilha da compensação alimentar consegue perder peso. Na cabeça do psiquiatra Volnei Costa, 31, nunca passou a ideia de fazer regime: “Gosto muito de comer”. Quando viu que precisava emagrecer, manteve o cardápio e começou a treinar pesado seis vezes por semana, alternando musculação e exercícios aeróbicos. Em seis meses eliminou oito quilos –passou de 79 kg para 71 kg. Hoje está com 76 kg. “Ganhei massa muscular”, diz.

Volnei Costa, 31, perdeu 8kg só fazendo exercícios físicos Abandonar o sedentarismo também foi decisivo para a designer Camilla Pires, 23. Com 21 anos e 85 quilos, ela começou a nadar. A atividade motivou mudanças no cardápio. “Passei a pensar mais no que comia. Estava fazendo muito esforço, não podia desperdiçar.” Por um ano, ela juntou a fórmula dos sonhos dos especialistas: adotou uma ” alimentação saudável” e se mexeu mais. Além da natação, passou a correr. Perdeu 24 quilos. “Para mim, o que fez a diferença foi o exercício, mas também parei de comer compulsivamente “, conta.

O pesquisador americano Timothy Church, apesar das ressalvas, admite que, com a atividade física, o emagrecimento fica mais fácil. E até dá a receita: 150 minutos de caminhada rápida e 2 dias de treinamento com pesos (20 minutos por dia) por semana. Para Franz Burini, professor da Unesp e médico da academia Reebok Sport Club, não existe atividade física ideal. “O melhor exercício é aquele que é feito”, afirma. E não precisa passar uma hora na academia para ter resultado. “Ser fisicamente ativo é se mexer mais todo o tempo. Tem pessoas que treinam uma hora e ficam paradas as outras 23.”

Editoria de Arte/Folhapress

Fonte: BOL

Anúncios

Teste de sangue mais preciso deve diminuir o risco de contaminação por HIV e hepatite

A partir do mês que vem, todas as bolsas de sangue doadas no País terão de passar pelo teste de ácido nucleico, conhecido como NAT. Mais sensível que outro teste usado no Brasil, o Elisa, esse exame deve diminuir o risco de contaminação por HIV e hepatite em transfusões. Mas, segundo especialistas ouvidos pelo Estado, ele ainda apresenta falhas.

De acordo com Guilherme Genovez, da Coordenação-Geral de Sangue e Hemoderivados do Ministério da Saúde, 40% das bolsas de sangue doadas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) já passam pelo NAT – agora, a porcentagem deve atingir 100%.

A adoção do NAT na rede pública se tornará obrigatória pela atualização da Portaria 1.353, que dispõe sobre a segurança dos hemoderivados. O anúncio de que a nova regra será publicada neste mês foi feito ontem no Congresso Brasileiro de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular, no Rio.

Os serviços terão um prazo de 90 dias para se adaptar à norma e a obrigatoriedade vai se estender à saúde privada. O teste adotado pelo SUS, contudo, ainda necessita de adaptações. É a avaliação das áreas técnicas dos hemocentros que já receberam o material e o submeteram a avaliações de controle de qualidade.

Genovez observa que o NAT nacional, registrado pela Agência Nacional de Vigilância Santiária (Anvisa) em dezembro de 2010, está em fase de desenvolvimento. “Os problemas encontrados no NAT hoje são totalmente solucionáveis. Há soluções tecnológicas e ajustes, mas nenhum problema que invalide o teste”, diz. Sobre a iminente distribuição do teste para todo o País, Genovez afirma que os ajustes serão feitos ao mesmo tempo em que o teste é distribuído. “Isso é tempo real, como trocar o pneu com o carro andando. Fazemos ajustes o tempo todo”, completa.

Economia. O teste NAT adotado pelo SUS foi desenvolvido pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O uso da tecnologia nacional vai permitir uma economia anual de cerca de US$ 75 milhões: a importação dos kits para exame custa US $ 100 milhões por ano, os kits nacionais saem por US$ 25 milhões.

O problema, segundo o médico Carmino Antonio de Souza, presidente da Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH), é que grandes hemocentros do País têm concluído que o teste não reproduz os resultados a que se propõe. “Temos uma dificuldade de caráter técnico que precisa ser esclarecida e resolvida.”

É o caso do Hemocentro de Ribeirão Preto, ligado à Universidade de São Paulo (USP). Segundo o médico Dimas Tadeu Covas, diretor da unidade, o NAT nacional não passou em alguns testes internacionais de controle de qualidade, aos quais todo insumo usado no hemocentro deve ser submetido por causa da acreditação pela Associação Americana de Bancos de Sangue (AABB).

“Não sabemos ainda o que determinou a performance abaixo do desejado. Mas o teste não é totalmente efetivo”, diz Covas. O especialista ressalta que se trata de um teste ainda em desenvolvimento e que pesquisadores da Fiocruz, que foram comunicados sobre o problema, têm trabalhado para resolver as falhas.

Para o superintendente-geral da Associação Beneficente de Coleta de Sangue (Colsan), José Augusto Barreto, houve uma precipitação por parte do ministério em incluir o teste na rotina. “Os problemas estão surgindo quando o teste já está sendo usado em larga escala. Essas preocupações deveriam ter aparecido antes”, diz.

A área técnica da Colsan, que é responsável por cerca de 13 mil coletas por mês e faz parte da Hemorrede do Estado de São Paulo, concluiu que o teste tem algumas discrepâncias ao fazer comparações dos resultados do NAT nacional com o NAT de outras marcas.

Fonte:  Estadão Saúde

Prato feito: calcule as calorias

Você sabe quantas calorias você consome quando come um prato feito, o famoso “PF”? A nutricionista Juliana Lopez, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), ajudou a preparar uma calculadora para você descobrir isso.

Segundo ela, o consumo médio ideal de calorias para um adulto é algo em torno de 600 a 700 calorias por almoço. Mas atenção: esse número varia, dependendo da sua saúde, do seu peso e se você faz exercícios físicos. Para conhecer melhor como você deve se alimentar, o mais indicado é consultar pessoalmente um nutricionista.

Para fazer os cálculos clique na imagem (a primeira com carne bovina. A segunda com carne de frango:

Fonte: Bem Estar

Mudança de hábito alimentar foi a solução para o Menino Maluquinho

Assista ao vídeo, interessante, sobre a alteração realizada nos hábitos do Menino Maluquinho, personagem do Ziraldo e apresentado pela TV Brasil.

No episódio Fome de Doce, a família do Menino Maluquinho descobre os problemas que existem devido à alimentação incorreta.  Segundo a sinopse, quando ele tinha 5 anos, queria comer doce e, por isto, acabou tendo uma cárie. Sua mãe passou a controlar sua alimentação, mas ele seguiu roubando doce. Só quando passou mal, entendeu o valor da comida.

Sobre: O  Menino Muito Maluquinho é uma biografia poética de um menino feliz amado pelos pais – os atores Maria Mariana e Eduardo Galvão . O personagem é apresentado em três idades, aos 5 anos (interpretado pelo ator Felipe Severo), aos 10 (Pedro Saback) e aos 30 anos (Fernando Alves Pinto).

Os principais assuntos da infância são mostrados sob o ponto de vista de crianças de 5 e 10 anos. Cada episódio tem um tema diferente que leva à identificação do telespectador com o personagem e à reflexão sobre a realidade e os conflitos das diferentes idades.

Entre os temas abordados estão: identidade, quem somos e como as pessoas nos enxergam; a passagem do tempo e os aniversários; o primeiro dia de aula e os novos amigos; bullying ; a preocupação com o animal de estimação; o consumismo e a vontade de comprar tudo que aparece na televisão; a morte; as férias; os pais; a importância da organização; o ciúme dos irmãos mais novos; o sonho da futura profissão; o melhor amigo; a competição entre meninos e meninas; a primeira paixão; artes; o excesso de doces etc.

Adaptação realista

As gravações duraram seis meses e foram realizadas em um estúdio de 600 m 2 , que reproduz um sobrado completo, com o quarto do Menino Maluquinho, o quarto de seus pais com closet, sala, cozinha e banheiro. Para refletir a realidade de uma casa onde vivem pessoas de verdade, a maioria dos móveis escolhidos pela direção de arte eram usados. Os objetos novos receberam tratamento artístico para refletir o uso.

Foram construídos dois quartos adereçados para refletir o Menino Maluquinho de 5 e 10 anos. O menino de 5 guarda seus brinquedos no quarto, que é mais colorido, mas ainda gosta de ocupar vários espaços da casa com suas coisas. Brinquedos e desenhos estão em vários locais. O menino de 10, por sua vez, gosta mais de ficar no quarto, onde tem o computador, o videogame, o seu painel de recortes e suas coleções.

A casa é sempre ensolarada, arejada e alegre. Para ser o mais realista possível, todas as janelas têm grandes painéis que reproduzem a locação onde são gravadas as cenas externas. Em um canto da sala, fica o escritório do pai. Cheio de livros e gravuras, o local é uma fonte constante de pesquisas para o garoto. No episódio “Chove, Chuva Maluquista”, por exemplo, o pai ensina ao Maluquinho várias passagens da história da arte usando os livros.

“Esta casa é viva e tem história”, afirma o diretor de arte André Weller. “É decorada com móveis escolhidos a dedo e objetos que mostram a trajetória da família”, completa a diretora de arte Milena Vugman.

O figurino também busca a referência na realidade. As roupas têm um visual contemporâneo e os atores-mirins estão caracterizadas como crianças de verdade. Suas roupas ficam sujas depois de uma brincadeira e não estão sempre alinhadas. Os pais têm roupas simples e peças que caracterizam a saída para o trabalho e os momentos de lazer em casa.

 

Fonte: TV Brasil 

Horário de verão exige cuidados com a saúde

Brasília – O horário de verão começa à meia-noite, quando os moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, mais o estado do Tocantins, deverão adiantar seus relógios em uma hora .  A mudança é para aproveitar melhor a luminosidade do dia nesta época do ano, reduzindo o consumo de energia nos horários de pico e evitando o uso de energia gerada por termelétricas, que é mais cara e mais poluente do que a gerada pelas hidrelétricas.

Se não houver adaptações para a mudança de horário, algumas pessoas podem apresentar cansaço, fadiga e até mesmo chegar à exaustão, de acordo com o fisiologista Hildeamo Bonifácio. “Nesse quadro de exaustão, a pessoa mostra sinais parecidos com doenças, como irritabilidade, dor de cabeça, diarreia e mudanças de humor”.

Bonifácio recomenda que, na primeira semana de mudança de horário, as pessoas aumentem a ingestão de líquido e façam refeições leves. Também deve ser mantido o horário das refeições, para o cérebro se adaptar o mais rápido possível com a mudança. “Se a pessoa está acostumada a tomar café às 7h, agora vai ter que tomar no mesmo horário, mesmo que ainda não tenha tanta fome”.

A mesma tática deve ser adotada com o sono. Quem está acostumado a dormir às 22h, por exemplo, deve manter o horário, mesmo que ainda não tenha sono. “Se essas orientações não forem seguidas, é como se a pessoa estivesse em uma semana de carnaval: vai dormir tarde, acorda tarde, aí muda todo o relógio biológico”, diz o fisiologista.

Pelas dificuldades de adaptação do organismo, a mudança de horário está longe de ser uma unanimidade entre a população. O eletricista Raimundo Carlos Costa, de 56 anos, critica a medida. “Não gosto do horário de verão, pois me forço a acordar mais cedo. Tenho problema de saúde e o horário afeta toda minha rotina. A adaptação é complicada, quem é mais velho precisa tomar mais cuidados”, diz. Ele também cita o problema da insegurança para quem precisa sair de casa muito cedo para trabalhar quando ainda está escuro.

O estudante Paulo Henrique Ferreira, de 18 anos, também não aprova a medida, apesar de achar que o dia é melhor aproveitado. “Eu não gosto muito do horário de verão, principalmente no primeiro mês. Acordo mais cedo, muitas vezes ainda está escuro”.

Apesar de sentir dificuldades de adaptações nas primeiras semanas, a promotora de eventos Mayana dos Santos, de 20 anos, gosta da mudança, porque acha que o dia rende mais. “Particularmente, não me atrapalha muito”. A aposentada Madalena Jordão, de 65 anos, também acha que os dias parecem maiores com o horário de verão. Ela mora no Nordeste, onde a mudança não é implementada, mas acredita que existe economia de energia com a medida.

A expectativa do governo é que o horário de verão deste ano evite um gasto de R$ 280 milhões com o acionamento de usinas térmicas, que seria necessário para suprir a demanda no horário de pico. Se fosse preciso construir novas termelétricas para garantir essa energia, o país gastaria R$ 3 bilhões, se não houvesse o horário de verão. A redução da demanda de energia no horário de pico neste ano deve ser cerca de 4,5%, e a redução total de consumo deverá ser 0,5%.

De acordo com o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Ildo Grüdtner, a mudança de horário proporciona um ganho considerável para a segurança do sistema elétrico brasileiro. “Menor demanda implica maior segurança para o sistema, que não fica tão ‘estressado’. Há também maior flexibilidade operativa para liberar instalações para manutenção e redução da geração de energia térmica para atender a esse consumo”.

Fonte : Agência Brasil

he1PU