Arquivo do mês: maio 2013

Mascavo ou Refinado? Saiba a diferença

Texto publicado no site da Sociedade Brasileira de Diabetes que mostra a diferença entre os dois produtos.  Leia a seguir:

 

Vários internautas nos enviam dúvidas sobre o consumo do açúcar mascavo. Por ter imagem de ser uma alternativa mais saudável do que o refinado, vários questionamentos surgem a seu respeito. Para esclarecer as dúvidas, a Dra. Ana Maria Calábria, do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD (gestão 2008-2009), responde as perguntas mais freqüentes sobre este tipo de açúcar.

1) O que é o açúcar mascavo?

O açúcar mascavo tradicional é um alimento obtido diretamente da concentração do caldo de cana recém-extraído. Este processo elimina o uso de aditivos químicos para o processo de branqueamento e clarificação. Sua cor pode variar do dourado ao marrom-escuro, em função da variedade e da estação do ano em que é a cana é colhida.

2) Qual a diferença entre açúcar mascavo e açúcar refinado (composição química, quantidade de carboidratos, composição nutricional, calorias)?

 Composição

Refinado 

Mascavo

Calorias (cal)

387

376

Carboidratos (g)

99,9

97,33

Vitamina B1 (mg)

0

0,01

Vitamina B2 (mg)

0,02

0,01

Vitamina B6 (mg)

0

0,03

Cálcio (mg)

1

 85

Magnésio (mg)

0

 29

Cobre (mg)

0,04

 0,3

Fósforo (mg)

 2

 22

Potássio (mg)

 2

 346

3) Existe algum benefício no consumo de açúcar mascavo, em substituição ao açúcar refinado?

O açúcar de mesa passa por um processo de refinamento. O açúcar mascavo, por não passar pelo mesmo processo, mantém as vitaminas e sais minerais da cana-de-açúcar. Apesar disso, a diferença calórica e de grama de carboidratos não são tão significativas, como mostra a tabela acima.

4) A pessoa com diabetes pode consumir açúcar mascavo? Que cuidados devem ser tomados?

Pessoas com diabetes podem, sim, consumir o açúcar mascavo, desde que sua quantidade seja computada como valor calórico e gramas de carboidrato, pois é igualmente absorvido e eleva a glicemia a patamares similares ao açúcar comum.

5) A glicose do açúcar mascavo eleva a glicemia mais rapidamente do que o açúcar refinado?

Não existem estudos baseados em evidências que confirmem essa afirmação. Logo, todas as pessoas com diabetes que preferirem utilizá-lo deverão usar as mesmas recomendações que receberam para o açúcar comum.

6) A diferença de nutrientes entre os dois tipos de açúcares traz algum benefício para quem consome? Quais?

Podem ser observadas diferenças quanto às fontes de cálcio, magnésio, fósforo e potássio, que são maiores no açúcar mascavo. Porém, isso não sugere que pessoas com diabetes tenham que preferir o açúcar mascavo, pois o que deve ser considerado nessa opção são os valores de calorias e de gramas de carboidratos que vão interferir na glicemia.

As necessidades destes minerais podem ser supridas com outros alimentos que não contenham valores tão altos de calorias e de carboidrato. Para tanto, uma consulta com o profissional nutricionista seria relevante. Assim, é possível conhecer como seria uma alimentação quantitativa e qualitativamente adequada para cada caso, em relação a fontes de energia, carboidrato, gorduras, proteínas, vitaminas e sais minerais, para viver de forma saudável.

É importante observar que o açúcar mascavo adoça igualmente ao açúcar comum. Entretanto, o que importa é o teor de sacarose (carboidrato) que contêm e nessa relação eles se equivalem.

via SBD

Anúncios

Campanha nacional incentiva a produção de alimentos orgânicos

legumesComeça no próximo domingo, 26 de maio, em todo o Brasil, a Semana dos Alimentos Orgânicos. Durante seis dias, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) promoverá em vários estados do país mais de 180 eventos, como cursos, seminários, debates, feiras, estandes de degustação e oficinas para esclarecer aos consumidores o que são esses produtos, quais os benefícios ambientais, sociais e nutricionais.

Em parceria com os ministérios do Desenvolvimento Agrário (MDA) e do Meio Ambiente (MMA), o Mapa sediou a primeira edição da Semana de orgânicos em 2005, por meio da campanha nacional que incentiva a produção e consumo desses alimentos.

A agricultura orgânica é caracterizada pelo processo diferenciado de produção, pois não utiliza agrotóxicos, nem fertilizantes químicos. O sistema tem como base o desenvolvimento sustentável associado à preservação dos recursos naturais, à saúde do consumidor e à valorização do trabalhador rural.

“As ações de fomento à produção orgânica, desenvolvidas pelo Mapa, tem dado prioridade à construção do conhecimento agroecológico, à disponibilização de insumos apropriados para a produção orgânica e à promoção da ampliação da produção e consumo de produtos orgânicos e de base agroecológica no Brasil”, disse o secretário de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo do Mapa, Caio Rocha, lembrando que o Mapa também é responsável pelo controle da certificação dos produtos, de forma a assegurar ao consumidor que ele está consumindo realmente um alimento que foi produzido dentro das normas da produção orgânica.

Existem no país, mais de 11 mil unidades de produção orgânica certificadas. O último censo agropecuário do IBGE, em 2006, identificou 90 mil produtores orgânicos. Segundo o coordenador de Agroecologia do Ministério da Agricultura, Rogério Dias, a agricultura orgânica vem crescendo num ritmo acelerado. “Na década de 70 achavam que era modismo e que iria passar, mas a população começou a perceber a importância de uma alimentação de qualidade. Percebemos claramente o aumento da procura dos consumidores e o aumento dos produtos no mercado”, disse.

Está previsto para junho deste ano o lançamento do Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica. “Estamos finalizando junto a outros órgãos do Governo Federal, os ajustes para o lançamento do plano, que consolidará as ações do Governo e da Sociedade Civil em prol do desenvolvimento da Agroecologia no Brasil”, ressaltou Rocha.

Aproximadamente 58 mil pessoas participaram da Semana dos Alimentos Orgânicos em 2012. Este ano, 18 estados já confirmaram sua participação com apresentação de seminários, cursos e outros eventos.

Confira aqui a programação dos estados

via Ministério da Agricultura

Quadrilha suspeita de roubar e adulterar leite é presa em Goiás

DSC07267A polícia prendeu na cidade de Morrinhos sete pessoas suspeitas de integrar uma quadrilha de roubo e adulteração de leite em vários municípios da região sul de Goiás. Segundo as investigações, a carga roubada era levada para uma fazenda próxima ao trevo que dá acesso à cidade de Buriti Alegre, a 192 km de Goiânia. Após ser adulterado com água, sal e açúcar, o leite era armazenado em péssimas condições de higiene, em meio a insetos como baratas.

DSC07283De acordo com a polícia, o leite adulterado era vendido para laticínios clandestinos, também em Goiás. A prisão dos suspeitos aconteceu na madrugada de domingo (19). Os suspeitos serão apresentados na manhã desta segunda-feira (20) na Delegacia da Polícia Civil de Morrinhos.

De acordo com a polícia, o crime era cometido há vários anos e toda semana, pelo menos, 10 mil litros do produto eram desviados. O prejuízo, só em Morrinhos, chega a R$ 60 mil.

A quadrilha começou a ser monitorada em novembro do ano passado. Em apenas uma das rotas feitas pelos criminosos, a polícia encontrou três caminhões que já tinham transportado 700 mil litros de leite em uma semana.

via G1 Goiás

saiba mais

Nota da Polícia Civil de Goiás:

A Polícia Civil de Morrinhos realizou nesta madrugada (19/05) uma grande operação com o objetivo de prender uma quadrilha que vem furtando há anos aproximadamente 10.000 litros de leite semanalmente dos produtores de leite cooperados da COMPLEM. Foram presos sete suspeitos:

1- Humberto Pereira Oliveira – 48 anos (Chefe da quadrilha)

2-Liomar Fernandes Rodrigues – 39anos
3- Leandro Jose de Souza – 37 anos

4- Julio Cesar Silva – 22 anos

5- Weider Aleixo Silva – 25 anos

6- Jose Roberto Paulo de Souza – 22 anos

7- Gilciene Elias da Costa – 38 anos

A ação é fruto de investigações realizadas pelo Delegado de Morrinhos Rilmo Braga e sua equipe, com apoio da unidade de inteligência da 6ªDRP-Itumbiara, após denúncias feitas pelo Sindleite (Sindicato das indústrias de laticínios do estado de Goiás), onde constavam informações preliminares de que quadrilhas atuavam em toda região Sul do estado, furtando leite de dezenas de rotas da região de propriedade de vários laticínios. Na denúncia constava que a Complem, o laticínio Bela Vista, a Marajoara, Italac e outros eram vítimas dessas quadrilhas.

O monitoramento da quadrilha presa foi iniciada em novembro do ano passado, tendo sido identificado que o chefe da quadrilha que atuava na região Sul é Humberto, o qual mantinha os demais presos como seus motoristas trafegando pelas principais linhas e rotas leiteiras da região, transportando dezenas de milhares de litros de leite semanalmente. Somente esse mês Humberto havia transportado mais de 700.000 litros de leite em seus três caminhões, todos apreendidos.

Suspeitas dão conta de que Humberto furtava aproximadamente 15 % do leite que transportava, principalmente dos cooperados da região da Areia, Marcelania, Bom Jardim das Flores, Edealina e da região do Mimoso. Consta nos autos que ele levava esse leite  furtado para sua fazenda na região do trevo de Buriti Alegre e lá produzia um leite adulterado com substâncias que aumentava a quantidade do leite. Preliminarmente a substância acrescida pelos suspeitos é composta por água, sal e açúcar. Com esse leite acrescido ele possivelmente revendia esse leite desviado dos grandes laticínios, após adulterar o produto,  para laticínios piratas na região, onde eram produzidos queijos e derivados sem qualquer procedência. Na fazenda de Humberto foram apreendidos 345 sacos de 2 kg de açúcar e 3 sacos de 25 kg de sal.

No local foram apreendidas centenas de litros da mistura usada por ele na adulteração desse leite que ele mesmo revendia em laticínios piratas. No local também foi apreendido um revólver que era usado por Humberto, segundo denúncias, inclusive para convencer comparsas a permanecer na quadrilha criminosa.

Leite Compen$ado: mais um grupo é denunciado

 

São Paulo – Mais um núcleo responsável pela coleta, transporte e distribuição à indústria do leite, no Rio Grande do Sul, está na mira dos promotores de Justiça daquele estado. Segundo o Ministério Público Estadual, uma nova denúncia de adulteração de leite será apresentada à Justiça, na semana que vem. A descoberta faz parte da Operação Leite Compen$ado, deflagrada no último dia 8, por meio de parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Na sexta-feira (17), 12 pessoas foram denunciadas pela fraude descoberta no núcleo de Ibirubá, um dos três sob suspeita. Se a Justiça estadual acatar a denúncia, cada uma delas deverá responder por crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e adulteração de produto alimentício cuja composição pode provocar danos à saúde ou ter o seu valor nutritivo diminuído.

Os nomes divulgados pelo MP são : João Cristiano Pranke Marx, Angelica Caponi Marx, João Irio Marx, Alexandre Caponi, Daniel Riet Villanova, Paulo Cesar Chiesa, Arcidio Cavalli, Rosilei Geller, Natalia Junges, Cleomar Canal, Egon Bender e Senald Wachter.

Por meio de nota, o promotor de Justiça Mauro Rockenbach esclarece que ao leite crú eram adicionados água e ureia, substância que contém formol. Na semana passada, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alertou que o formol é considerado cancerígeno.

De acordo com as investigações do MP/RS, a água utilizada era retirada de um poço artesiano e análises feitas indicaram que o produto estava contaminado por coliformes fecais. Essas adulterações vinham ocorrendo desde dezembro do ano passado até maio deste ano.

Fonte: Agência Brasil

saiba mais

Água usada em fraude do leite no RS continha coliformes fecais

A água de poço usada por um grupo de transportadores suspeitos de adulterar leite cru no Rio Grande do Sul estava contaminada por coliformes fecais. É o que diz o resultado da análise recebida nesta terça-feira (14) pelo Ministério Público.

A amostra da água foi coletada em uma propriedade rural de Ibirubá, no Noroeste do estado, na última quarta-feira (8), durante a operação Leite Compensando. Segundo o MP, a propriedade pertence ao pai do dono de uma transportadora de leite. Ambos estão presos preventivamente.

Conforme as investigações do MP, a fraude ocorria entre a compra do leite cru na propriedade rural e o transporte para os postos de resfriamento. No meio do caminho, os caminhões eram levados para a propriedade rural, entre outros locais, onde ocorria a adição de água e ureia, substância que contém em sua composição formol, considerado cancerígeno.

O laudo feito pelo laboratório de análises físico-químicas e microbiológicas da Universidade do Vale do Taquari (Univates) constatou a presença de coliformes fecais na água, bem como a ausência de cloro. O que significa que a água não era própria para consumo humano.

“Ocorreu uma dupla fraude, porque, além das substâncias como ureia e formol, a água utilizada também era imprópria para o consumo”, afirmou o promotor de Defesa do Consumidor, Alcindo Luz Bastos da Silva Filho.

MP faz audiências com indústrias
Também nesta terça (14), a promotoria de Defesa do Consumidor começou a receber representantes das indústrias de laticínios que tiveram leite adulterado no estado. Apesar de não estarem envolvidas na fraude, as empresas terão de explicar porque não detectaram a adulteração no leite.

A primeira a ser ouvida foi a VRS, interditada desde a semana passada. A indústria situada em Estrela é responsável pelas marcas Latvida, Só Milk, Hollmann e Goolak, quatro das sete que tiveram lotes adulterados ou sob suspeita (veja a lista abaixo). As indústrias responsáveis pelas marcas Italac, Líder e Mu-Mu serão chamadas nos próximos dias.

Conforme o MP, foram apresentados propostas como maior controle da atividade dos transportadores e dos produtores, bem como do leite cru que chegar à indústria, além da comprovação da calibragem periódica dos equipamentos utilizados no laboratório de análise do produto e a ampliação dos testes para detecção de fraudes.

Foi estabelecido o prazo de 20 dias à empresa para se manifestar a respeito das propostas. A audiência pode resultar na assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que deve prever também indenização por dano moral coletivo e ressarcimento aos consumidores que possuem unidades dos lotes contaminados em casa ou a nota de compra.

De acordo com o promotor Alcindo Luz Bastos da Silva Filho, a empresa apresentou documentação dizendo que as condições de higiene que motivaram a interdição da empresa foram sanadas. No entanto, as instalações da fábrica devem passar por uma nova vistoria da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa).

Confira a lista dos produtos não recomendados para consumo

Leite Líder – UHT Integral
SIF 4182 – Fabricação: 17/12/12
Lote: TAP 1 MB

Leite Italac – UHT Integral
Goiás Minas – SIF 1369
Fabricação: 30/10/12 – Lote: L05 KM3
Fabricação: 5/11/12 – Lote: L13 KM3
Fabricação: 7/11/12 – Lote: L18 KM3
Fabricação: 8/11/12 – Lote: L22 KM4
Fabricação: 9/11/12 – Lote: L23 KM1

Leite Italac – UHT semidesnatado
Goiás Minas – SIF 1369
Fabricação: 5/11/12 – Lote: L12 KM1

Leite Mu-Mu – UHT Integral
Vonpar – SIF 1792
Fabricação: 18/01/13
Lote: 3 ARC

Leite Latvida – UHT Desnatado
VRS – Latvida – CISPOA 661
Fabricação: 16/2/2013 Validade: 16/6/2013
O MP não divulgou o número do lote

Leite UHT Semidesnatado
VRS – CISPOA 048/661
Marca: Latvida
Lote 190 – Fabricação: 2/4/2013
Lote 193 – Fabricação: 5/4/2013
Lote 103 – Fabricação: 18/4/2013

Leite UHT Desnatado
VRS – CISPOA 037/661
Marca: Só Milk e Latvida
Lote 188 – Fabricação: 4/4/2013
Lote 198 – Fabricação: 10/4/2013
Lote 202 – Fabricação: 11/4/2013
Lote 104 – Fabricação: 15/4/2013
Leite produzido em 16/2/2013, com validade até 16/6/2013

Leite UHT Integral
VRS – CISPOA 036/661
Marcas: Hollmann, Goolac, Só Milk, Latvida
Lote: 103 – Fabricação: 1/4/2013
Lote: 184 – Fabricação: 3/4/2013
Lote: 189 – Fabricação: 4/4/2013
Lote 190 – Fabricação: 5/4/2013
Lote 196 – Fabricação: 9/4/2013
Lote 200 – Fabricação: 10/4/2013
Lote 201 – Fabricação: 19/4/2013
Lote 202 – Fabricação: 20/4/2013
Lote 204 – Fabricação: 21/4/2013
Lote 205 – Fabricação: 22/4/2013

via G1